Os índios Kuna de San Blás escondidos no interior da Colômbia

Os índios Kuna são os únicos habitantes da ilha paradisíaca San Blás. Essa região no Panamá inclui uma zona costeira coberta por floresta tropical, manguezais e mais de 300 ilhas no mar do Caribe. Os índios Kuna restringem o acesso a San Blás e somente eles podem operar qualquer tipo de turismo no local... mas essa história não foi nesse paraíso e vim aqui escrever sobre essa mesma tribo e sua relação com uma designer de moda colombiana.

O que isso tem com a minha especialidade? NADA, mas acredito que quando saímos da zona de conforto, cativamos ainda mais a criatividade e aguçamos o olhar.

Esse é um projeto que infelizmente não foi pra frente. Trago aqui em primeira mão para você uma breve introdução ao assunto e obviamente algumas das fotos que fiz por lá. É praticamente impossível contar todos os detalhes por aqui, e acredito que ficaria GIGANTESCO, ainda mais hoje em dia que ninguém quer ler nada. Vamos lá.

A Colômbia sofreu, desde sua independência, mais de 2 séculos de guerra civil contínua. Um conflito armado que se intensificou nos últimos anos deste século, graças aos grupos armados que herdaram os negócios de Pablo Escobar e foram criados para combater as recém-desmobilizadas FARC, que na época também semearam horror em muitas cidades da Colômbia . Massacres, ataques, bombas, terras saqueadas. Isso levou o país cafeeiro a ter o infame título de ser a nação com o maior número de pessoas com deslocamento forçado no mundo, acima da Síria. Pessoas que tiveram vidas simples foram forçadas a deixar tudo por causa de guerrilheiros ou paramilitares. Foi o caso de Luz Cleiner Cabadías e sua família, que tiveram que deixar Bojayá, cidade de Chocó, em pleno confronto entre as Farc e os paramilitares. 119 pessoas que se refugiaram na igreja da vila morreram depois que os guerrilheiros lançaram uma pipeta de gás que explodiu dentro. Felizmente, Cleiner e seus parentes deixaram a cidade antes do que aconteceu e carregaram os poucos pertences que tiveram que fugir para Quibdó. Cleiner naquela época tinha apenas 13 anos. Hoje ela tem marca própria e foi reconhecida na Bogotá Fashion Week pelas criações que aludem à sua identidade e suas raízes, cheias de cor e tradição. Ele também aspira a ir à Milan Fashion Week... e é agora que eu entro.

A idéia principal era mostrar como Cleiner Cabadías deu a volta por cima e com a "ajuda" de seus ancestrais usou os bordados tradicionais para suas inspirações de sua marca de roupa, que acabou fazendo muito sucesso em seu país e o sonho de estrear na Europa.

Cleiner Cabadías em seu ateliê vestindo uma peça composta pela "mola", que são os bordados que as índias fazem. Coloridíssimos, geométricos ou com desenhos de animais.

Cleiner Cabadías em seu ateliê vestindo uma peça composta pela "mola", que são os bordados que as índias fazem. Coloridíssimos, geométricos ou com desenhos de animais. Abaixo as fotos com legenda para resumir a historia que foi chamada de: Roots to Milan

Featured Posts
Recent Posts